Arquivo para novembro, 2009

Por Amyr Klink

Posted in Referências, Textos on novembro 28, 2009 by contarestorias

“Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”
Amyr Klink

Anúncios

Stop Motion – Cinema de Animação

Posted in artigos, Evento with tags , , , , on novembro 24, 2009 by contarestorias

Participei de uma oficina de STOP MOTION, aqui na Oficina Cultural Regional Carlos Gomes, Limeira (SP).
No Blog do Alex Contin, Blog Opinião, tem uma matéria sobre o dia do lançamento do DVD resultado da oficina.
Vale a pena conferir.

LINK: http://www.opiniaoalexcontin.blogspot.com/

III Mostra de Arte e Ciências – Col. Da Vinci

Posted in Uncategorized on novembro 18, 2009 by contarestorias

foto do BRINCADERA no Colégio Da Vinci em Limeira

“As nossas CARAS”. por Amanda Abreu

Posted in Textos on novembro 13, 2009 by contarestorias

13/1/09
As nossas CARAS.

“Obcecado pelo desejo de ser feliz eu perdi minha vida. Movi-me com uma tensão de arco e flecha numa irrealidade de desejos “.

( Clarice Lispector )

Não basta viver, temos é que aparecer. Polêmico, não?! Dia desses conversando com uma amiga discutimos que os álbuns pessoais dos perfis das comunidades de relacionamentos são uma espécie menor de revista Caras.

Parece que entre outras funções mais nobres, o álbum tem a função de exibir o quanto se é feliz.

As fotos postadas muitas vezes são as mais elaboradas, com o melhor sorriso, a melhor maquiagem, a melhor luz, tudo na tentativa de mostrar o glamour em que se vive e/ou glamorizar a própria vida.

Flashes, música alta, pessoas sorrindo abraçadas, a euforia é o tom que remete a felicidade.

Nesta felicidade se esconde a fragilidade.

Como se cada pessoa fosse um produto a ser divulgado e este produto vendesse uma imagem de sucesso ou fracasso.

O sucesso ligado aos números, números de “amigos”, de baladas que se frequentou, de “clicks” que se recebeu, de bocas que se beijou e latas ou se preferir taças que se esvaziou.

Viver e ser feliz parece estar dissociado de tudo, Solidão, silêncio parecem ser algo que não se pode possuir ou almejar.

O som das músicas, das risadas é tão alto que não se pode ouvir nem os próprios pensamentos.

Amanda Abreu Silva

Histórias do Pequeno Príncipe.

Posted in Uncategorized with tags , , , , , , on novembro 11, 2009 by contarestorias

O Grupo BRINCADERA (Limeira-SP) está produzindo a adaptação do Livro Pequeno Príncipe (de Saint-Exupéry). A proposta desse trabalho surgiu da Coordenação do Colégio Da Vinci (Limeira-SP) para fazer parte de um projeto que tem o LIVRO citado como tema. Vale a pena lembrar que está acontecendo na Capital paulista, exatamente na OCA – Ibirapuera uma Exposição sobre o Livro: Pequeno Príncipe. Apresentaremos nos dias 23, 24 e 25. Até lá.